Tem início Ano Missionário em Cuba

Tem início Ano Missionário em Cuba

9 de agosto de 2019 0 Por A Santa Sé

O Ano Missionário – que é realizado em preparação à II Assembleia Nacional de Missões, a ser realizada de 3 a 7 de agosto de 2020 – tem por objetivo fortalecer a atividade missionária de todas as comunidades, com o anúncio de Jesus Cristo sendo difundido em todos os lugares e a todas as pessoas quer ainda não o conhecem, para que “Jesus Cristo e seu Evangelho seja conhecido, amado e servido em Cuba”, explica o site da Conferência Episcopal cubana.

Indo de encontro ao Mês Missionário Extraordinário convocado pelo Papa Francisco para outubro próximo,  o Ano Missionário em Cuba tem a intenção de fazer com que todos os cristãos católicos “levem em seus corações o anúncio do Evangelho e a conversão missionária e evangelizadora das próprias comunidades; para que cresça o amor pela missão, que é uma paixão por Jesus, mas ao mesmo   paixão pelo seu povo”, como escreveu Francisco na Carta por ocasião do Centenário da promulgação da Carta Apostólica “Maximum illud”.

Testemunho

“Muitas vezes – ressalta a nota – somos a porta que permite que os outros encontrem ou se afastem de Jesus. É por isso que, neste Ano Missionário, somos indubitavelmente nós mesmos – aqueles que formam a Igreja em Cuba – os primeiros que devem ser evangelizados”.

Neste sentido, há um encorajamento do próprio Papa Francisco quando na mesma Carta escreve:  “Espero que todas as comunidades se esforcem por atuar os meios necessários para avançar no caminho duma conversão pastoral e missionária, que não pode deixar as coisas como estão. Neste momento, não nos serve uma “simples administração”. Constituamo-nos em “estado permanente de missão”, em todas as regiões da terra». Com confiança em Deus e muita coragem, não temamos empreender «uma opção missionária capaz de transformar tudo, para que os costumes, os estilos, os horários, a linguagem e toda a estrutura eclesial se tornem um canal proporcionado mais à evangelização do mundo atual que à autopreservação. A reforma das estruturas, que a conversão pastoral exige, só se pode entender neste sentido: fazer com que todas elas se tornem mais missionárias, que a pastoral ordinária em todas as suas instâncias seja mais comunicativa e aberta, que coloque os agentes pastorais em atitude constante de “saída” e, assim, favoreça a resposta positiva de todos aqueles a quem Jesus oferece a sua amizade.”

Como batizados e na dependência do serviço que prestamos dentro da Igreja, esse tempo é propício para evangelizar e encorajar a missão.

Como leigo

Como leigo, homem ou mulher, ser acolhedor e semeador de esperança. Seu modo de ser e expressar-se falará de Jesus. Uma pessoa é assim porque é cristã. E não esqueça que os outros esperam ouvir você falar de Jesus, que os outros precisam conhecer Aquele que mudou sua vida, que deu um sentido a ela, que a encheu de alegria. A missão espera por você.

Como consagrado

Se você é consagrado ou consagrado, precisamos de muita oração, de seu testemunho de vida alegre e acolhedora. Existem pequenas comunidades e cidades onde não vive nenhum agente pastoral. Estas pessoas estão esperando por você neste Natal ou na próxima Semana Santa, para que você as ajude a viver sua fé, a vê-las caminhando pelas ruas e trilhas, para recebê-lo em suas casas e compartilhar com você a alegria da fé. Talvez você não tenha que esperar tanto tempo. A missão espera por você.

Como sacerdotes

Se você é um padre, precisamos vê-lo sempre alegre e acolhedor para com todos. Precisamos que você acenda em si mesmo e nos outros o ardor missionário necessário para renovar a Igreja em Cuba. Com entusiasmo e ousadia, você pode organizar missões nos bairros de sua paróquia; toda semana ou mês você pode enviar missionários de uma para outra das poucas ou muitas comunidades que você acompanha. A missão espera por você.

A todos os fiéis

A missão nos espera. Somos encorajados pelo testemunho de Santo Antônio Maria Claret e da Beata Dolores Sopeña, patronos deste Ano Missionário. Estamos acompanhados da certeza de que Jesus, que nos chamou e enviou, e a quem anunciamos, está conosco em todos os momentos até o fim do mundo (cf. Mt 28, 19-20). Nós não vamos para a missão sozinhos, Ele vai conosco.